Como começar a ser um cosplayer e a se destacar no meio profissional

Desde que a Agência Joystick abriu asas e começou a voar, tendo seu site próprio e redes sociais ativas, é muito comum que pessoas interessadas em trabalhar conosco nos procurem para deixar o seu contato ou então nos questionar sobre como seria possível fazer parte de nosso casting.

Usualmente, esses contatos vêm de pessoas interessadas em integrar a parte de staff de eventos da agência ou então, fazer parte do plantel de cosplayers da Joystick.

Baseado nas perguntas mais frequentes que essas pessoas nos fazem, resolvemos escrever o texto desta semana.

O ato de ser um cosplayer vai muito além de simplesmente se “fantasiar” de um personagem. O grande charme do cosplay é incorporar verdadeiramente a personalidade do personagem ali representado, dando vida a ele.

Quando alguém chega em um evento e interage com um cosplayer devidamente trajado, ele espera realmente ter uma experiência quase metafísica: estar na presença de seu personagem fictício favorito, em carne e osso.

O cosplayer, muito além de se vestir como, deve conhecer profundamente o personagem ao qual ele está dando vida, pois somente assim sua performance será convincente. Dito isso, além da vestimenta, é necessário ainda um pouco de habilidade de atuação, afinal, de que outra maneira seria possível transparecer ser um alguém que você não é realmente?

É claro que alguém que queira fazer um cosplay não precisa fazer cursos de teatro e é aí que vem a parte mais admirável de um cosplayer: conhecer substancialmente o personagem.

Atores costumam fazer laboratórios para compreender melhor um personagem, bem como suas motivações e o seu mundo, que estão prestes a personificar. Isso os ajuda a compor melhor sua atuação e tornar tudo mais verossímil.

O cosplayer basicamente faz disso um grande laboratório que dura uma vida toda e que é banhado do mais profundo amor por aquele específico personagem e o universo que o rodeia. O poder de atuação vem não somente de uma obrigatoriedade de se fazer um bom trabalho, mas da vontade real de tornar-se aquele personagem e viver em seu universo.

Não há melhor forma de se conhecer algo que não seja amando e convivendo com esse algo, por vontade própria, o máximo de tempo possível. O verdadeiro cosplay vem desse sentimento, bem como suas habilidades únicas de dar vida a um personagem.

Dito isso tudo até aqui, o melhor conselho para quem se interesse em começar a fazer cosplay a se tornar, verdadeiramente, um cosplayer é fazer por puro e verdadeiro amor. Além disso, conhecer um ótimo cosmaker é essencial. O resto virá naturalmente.

Quanto a se tornar um cosplayer profissional, isso vem com tempo e dedicação. Sobre essa questão, vou me focar nos trabalhos que a Agência Joystick executa com esses profissionais.

Em primeiro lugar, não há restrição sobre quais pessoas escolher para o trabalho. Os cosplayers que tem interesse em trabalhar conosco cadastram-se no site e, a partir daí, temos o contato dessa pessoa. No caso do link do cadastro não funcionar, basta falar conosco pelo Facebook, e regularizamos tudo.

Uma vez que um cliente entre em contato solicitando nossos serviços, ele deixa claro sobre quais cosplays precisará, se já possui ou não a vestimenta, entre outros detalhes. Baseando-se nisso, verificamos os candidatos mais aptos a ocupar os cargos e entramos em contato.

A partir daí é uma questão de alinharmos tudo com os contratados e isso não significa somente valores, horários e datas. Cosplayers contratados possuem cronogramas para seguir ao longo de todo o evento. Horários para exercer as atividades específicas que devem fazer. É aí que os bons profissionais se destacam!

Responsabilidade e profissionalismo são elementos cruciais nesse meio, assim como em qualquer outro ramo comercial. Seguir o cronograma de atividades, conforme o combinado, não somente mostra que se pode confiar no cosplayer enquanto profissional, mas também impressiona o cliente.

Confiança é uma via de mão dupla: a agência confia que o cosplayer fará um bom serviço, pois mesmo que estejamos bem próximos a ele ao longo de um evento, o sucesso do trabalho depende de seu desempenho. O cosplayer confia na agência e deposita nela a certeza de que bons eventos virão e de que ela dará todo o suporte e treinamento que ele precisa. Por fim, o cliente fica satisfeito, priorizando tanto agência quanto cosplayer para futuros eventos.

Amor pelo que se faz, profissionalismo e uma pitada de ~nerdice~ são, basicamente, os elementos básicos para começar no caminho do cosplay, bem como seguir em frente rumo a fazer disso algo maior do que somente um hobby.

Se interessa em fazer cosplay? Já faz cosplay e gostaria de se arriscar a trabalhar profissionalmente nesse meio? Incentivamos, veementemente, que sigam seus corações nessas questões e, caso queiram trabalhar conosco, preencham o cadastro que se encontra na home page ou entre em contato conosco pelo Facebook ou Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *