Sugestões de séries e filmes orientais

Infelizmente, sempre que pensamos em filmes ou seriados em live action, culturalmente pensamos quase que exclusivamente em produções ocidentais. Usualmente somos ainda mais restritivos nesse quesito, nos focando no que é produzido especificamente nos Estados Unidos.

É realmente indiscutível que o polo desse tipo de mídia é norte-americano, entretanto não devemos nos permitir sermos assim tão restritivos. Em toda a parte do mundo produções cinematográficas e afins são produzidas e muita coisa boa provem daí.

Com isso em mente, traremos regularmente para vocês dicas de filmes e séries de produção não norte-americana que acreditamos que gostarão. É muito interessante verificar as diferentes formas com que cada cultura abordam os mesmos temas, bem como as diferenças de cinematografia e questões mais técnicas.

Vai que ao longo dessa jornada, você encontra um novo polo favorito de produções desse tipo de mídia não é mesmo?

Como temos certeza que muitos de vocês que nos seguem possuem uma quedinha pelo universo oriental das coisas, começaremos nossas dicas justamente pelas produções “do lado de lá” do mundo. Dito isso, não nos limitaremos em produções necessariamente japonesas, apesar de elas também estarem por aqui.

Como o Netflix hoje é o serviço de streaming com maior amplitude nacional, nos focaremos em produções que possam ser encontradas em seu catálogo, apesar de esse não ser também necessariamente um limitador.


FILMES


Old Boy

É simples: Toda vez que eu falo de cinema oriental, o primeiro filme que vem a minha mente é Old Boy.

Do diretor sul-coreano Park Chan-wook, um dos maiores nomes atuais no cinema oriental, o filme é baseado no mangá de mesmo nome (já lançado aqui no Brasil). Ele não segue exatamente a mesma história do original, mas mantém personagens, ambientação e o core do roteiro.

Não se engane se ao ler o parágrafo acima e achar que o filme não e tão bom quanto o mangá por não o seguir fielmente. Na verdade, a versão cinematográfica é melhor do que o original, um caso raríssimo em adaptações desse gênero.

A história gira em torno de um conceito poderoso: Vingança. Apesar de já termos visto essa mesma justificativa para vários filmes, o roteiro aqui é inteligente e proporciona um dos mais incríveis plot-twists da história do cinema.

Evite ao máximo a adaptação norte-americana desse filme, que não faz jus a obra prima que o filme sul-coreano é.

Caso tenha se interessado, assista ao trailer de Old Boy clicando AQUI.


13 Assassinos

Do diretor japonês Takashi Miike, 13 Assassinos é um remake do filme homônimo de 1963 e, de maneira indireta, é uma senhora homenagem ao maior filme de samurai de todos os tempos, Os Sete Samurais de Akira Kurosawa.

Usualmente filmes orientais possuem uma estética toda única, bem como são mais contemplativos e metalinguísticos do que os ocidentais, isso é algo cultural. Tal característica faz o pessoal “do lado de cá do mundo” os taxarem de chatos e mesmo filmes de samurais podem cair nessa definição.

Filmes como O Tigre e o Dragão, Herói e O Último Samurai fizeram um bom trabalho encontrando um meio termo entre cinema oriental e ocidental e é nesse sentido que recomendo 13 Assassinos.

O filme basicamente trata da união de um grupo de samurais que desejam derrubar um shogun opressor do poder. Um filme que exala os conceitos orientais mais básicos de honra e justiça, premissas básicas para filmes do gênero “jidaigeki” (épicos de samurai), que funcionam em 100% das vezes quando bem executadas.

Com uma boa história (mesmo sem grandes desdobramentos), uma direção firme e bem mais ocidental do que imaginaríamos, belíssimo design de ambientes e cenas de ação muito bem filmadas, essa produção japonesa merece a atenção de todo o fã de cinema e é uma bela e atual porta de entrada para o cinema japonês.

Caso tenha se interessado, assista ao trailer de 13 Assassinos clicando AQUI.


SÉRIES


Samurai Gourmet

Atualmente o que não faltam são programas televisivos de comida que, em sua esmagadora maioria, se focam ou em ensinar o passo a passo da preparação dos pratos ou em competições com regras restritivas para ver quem faz o melhor prato. Ou seja, um tipo de programa é um tutorial de se fazer comida, enquanto outro é entretenimento baseado em competitividade.

Eis que vindos do Japão, dois doramas subvertem graciosamente essas hipérboles de programas com foco em comida e proporcionam ao telespectador verdadeiras reflexões de vida e afloramento sentimental. Um deles é Samurai Gourmet.

O dorama é uma adaptação do mangá Nobushi no Gourmet e possui uma premissa interessante e absolutamente simples. Em Samurai Gourmet acompanhamos o recém aposentado Takeshi Kasumi em sua descoberta pelo prazer na gastronomia.

O interessante aqui não é a premissa em si, mas seus desdobramentos no roteiro. Ao longo dos episódios vemos como cada experiência gastronômica de Takeshi desfruta faz dele uma pessoa melhor.

As reflexões de Takeshi para com ele mesmo (e aqui rola um conceito interessante que não vou spoilar) enquanto ele saboreia pratos e bebidas diferentes nos tocam sentimentalmente e também nos fazer refletir acerca de o como aproveitar e compreender o ato de se alimentar, dos verdadeiros prazeres da vida e sobre nós mesmos.

Uma série sobre comida que possui o poder de fazer o expectador refletir sobre a vida e sobre si próprio, se compreendendo melhor no processo. Esse é “Samurai Gourmet”. Não perca por nada esse dorama que mais que um programa é uma verdadeira lição de vida!

Caso tenha se interessado, assista ao trailer de Samurai Gourmet clicando AQUI.


Midnight Dinner: Tokyo Stories

Há pouco mencionei que haviam duas séries japonesas que tratam programas televisivos sobre comida. A primeira foi a mencionada Samurai Gourmet, a outra é Midnight Dinner: Tokyo Stories.

Esse Dorama, baseado no mangá Shinya Shokudo, possui um roteiro não linear e se passa em um pequeno restaurante que abre somente de madrugada (das 00 às 07hrs) e que não possui nenhum tipo de restrição de público.

Cada episódio possui como foco algum momento e/ou evento do passado de algum cliente e possui sentimental relação com o prato servido que usualmente é o nome do episódio em si. O charme da série é justamente o como o roteiro constrói essa relação e o como trabalha de maneira dinâmica cada uma das histórias apresentadas.

A cinematográfica da série é muito inspirada, com boa utilização de saturação das cores em forma de metalinguagem. A trilha sonora é lindíssima e dá o necessário tom dramático (e um tanto melancólico) a cada episódio, mesmo que o humor também esteja presente.

Apesar de possuir um protagonista o roteiro dá quase nenhuma informação sobre o mesmo. Os claros destaques ali são os clientes, que não são sempre os mesmos, e o restaurante em si.

Midnight Dinner: Tokyo Stories não tem a delicadeza e o tom quase metafísico que Samurai Gourmet possui, mas por certo possui o tom certo de drama e de reflexão social que se procura em uma série oriental.

Caso tenha se interessado, assista ao trailer de Midnight Dinner: Tokyo Stories clicando AQUI.


Pois bem, encerramos nossas recomendações de hoje por aqui. Dois filmes e duas séries orientais que são ótimas portas de entrada para o público que não está acostumado para com esse tipo de produção, bem como são ótimas para quem já as curte.

Importante destacar que todas as dicas de filmes e de séries aqui apresentadas podem ser assistidas no Netflix.

Caso tenham curtido esse tipo de texto, bem como caso queiram dar suas próprias recomendações, deixem aqui na área de comentários os seus recados, ou então interaja conosco via nossas redes sociais Facebook e Instagram. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *